segunda-feira, 3 de outubro de 2022

HALLOWEEN H20 (1998)

 EM DEFESA DE HALLOWEEN H20


Não é que tenha qualquer autoridade para ser o advogado de defesa de qualquer filme, mas caramba, parece que este se perdeu no esquecimento, e não merece. Ainda mais com esta nova trilogia, que vem reescrever ou introduzir uma nova linha narrativa à saga.

Vendo o copo meio cheio, já são três as linhas narrativas que têm por base o filme original do Carpenter. E há para todos os gostos.

H20 ignora o 4, 5 e 6, ou seja, a personagem central anterior, a Jamie (que era filha da Laurie Strode) foi com os cães.

Aqui passamos directamente da noite do massacre do 1º e 2º filme e saltamos para 20 anos depois. E aproveito este salto para passar em revista os pontos positivos que me levam a argumentar que este é um dos melhores filmes do franchise. 

O ponto principal é mesmo a Laurie. É certo que continua "assombrada" pelos eventos de 1978, mas conseguiu levar uma vida "normal", ainda que com uma identidade nova. Acho esta versão da personagem bem mais realista que a versão destes novos filmes. Aqui ela conseguiu viver para além do Myers: tem uma carreira de sucesso, é divorciada mas tem um filho com quem tem uma relação saudável, tem namorado. Ou seja, mantém uma vida dita normal, apesar de numa noite, quando era jovem, a terem tentado matar. Vive com o trauma, bebe uns copitos às escondidas, mas vive. É um retrato, volto a repetir, bem mais realista que a versão mais bad-ass da nova trilogia. 

Depois a mudança de local foi uma lufada de ar fresco. Chega de Haddonfield e passamos para um campus de ensino privado na Califórnia. Há ali alguns cenários porreiros para umas cenas de suspense. 

Uma das coisas boas deste filme é a realização do Steve Miner (já tinha estado ligado à concorrência do Friday the 13th). O gajo enche o filme de pequenos easter-eggs, homenagens aos filmes do género e à própria saga. Mas nunca são enfiados a martelo. Surgem de forma tão fluida que muitos nem nos apercebemos deles. O meu preferido é a inclusão da Janet Leigh (a estrela do Psycho) com um pequeno papel, e numa cena com ela ouve-se a música do clássico de Hitchcock. Perfeito.

Ah. e o elenco. Cheio de caras conhecidas, alguns a começar a carreira. Joseph Gordon Levitt, Michelle Williams, Josh Hartnett, LL Cool J.

Outro dos argumentos que uso para defender o filme é a sua duração. É curto e grosso. 82 minutos com genérico incluído. Não perde tempo com coisas desinteressantes.

No entanto, o filme tem um grande senão: o maior ponto negativo do filme é mesmo o Michael Myers. Não sei o que se passou na produção que a máscara não resulta. Não percebo. Um adereço tão básico e falham redondamente. Numa ou outra cena, até uma máscara digital utilizam. ??????? Também o actor é muito "lingrinhas" para fazer de Myers. Queria um actor mais imponente. 

Em jeito de conclusão, é um filme de terror feito naquela senda do terror pós-Scream. E pode ter surgido muita merda depois do Scream. Mas quando é bem feito (como neste caso), os filmes envelhecem bem.

terça-feira, 21 de dezembro de 2021

TOP 2021

 Vamos lá recapitular o ano. Num ano em que vi uns 20 filmes.

- MELHOR DUPLA: TOM & JERRY (menção honrosa para Malignant)


- MELHORES PRIMEIROS 10 MINUTOS: MORTAL KOMBAT


- MELHOR ZOMBIE: TIGRE EM ARMY OF THE DEAD


- MELHOR TRILOGIA: GET BACK (menção honrosa para Fear Street)


- PERSONAGEM MAIS FOFINHA: SEBASTIAN EM SUICIDE SQUAD


- MELHOR "BIG DADDY": DAVID HARBOUR EM BLACK WIDOW



- MELHOR FATO DE SUPER-HERÓI: ANA DE ARMAS EM NO TIME TO DIE


- MELHOR "HITGIRL": MCKENNA GRACE EM GHOSTBUSTERS AFTERLIFE


- MELHOR GÉMEO: MALIGNANT


- MELHOR CAMEO: CHARLIE COX EM SPIDER-MAN NO WAY HOME




segunda-feira, 29 de novembro de 2021

THE BEATLES: GET BACK (2021)


«And then, there were two!» 

Antes mais, tenho de informar que tenho uma nova trilogia preferida do Peter Jackson

The Beatles são aquela banda que não precisa de apresentações e que irão perdurar nos anais da história. Mais depressa os humanos se extinguem que esta banda seja esquecida.

Ora, parece que existiam centenas de horas de filmagens de um suposto documentário. Horas essas, filmadas em 1969 naquele mês que levou ao famoso concerto no topo de um prédio e à gravação do álbum "Let It Be".

Confesso que quando entrei neste épico de mais de 7 horas, pensei ir ver os 4 génios à bulha entre si, pois isto antecede a separação. E por mais teorias que possamos ter sobre as verdadeiras causas da separação, muitas caem por terra. E a menos que a edição deste documentário seja tão "aldrabona", o que vejo aqui são 4 tipos que se adoram, com perspectivas diferentes sobre muitas coisas, mas que no fundo só se querem bem. Não vejo nenhuma rivalidade entre McCartney ou Lennon. Vejo só um tipo (McCartney), que depois da morte do seu produtor por overdose optou por tomar as rédeas e ser quase o líder da banda, até porque o Lennon estava mais interessado na Yoko (figura que aparece SEMPRE ao lado do músico), o Harrison queria voar a solo, e o Ringo era mais um conciliador.

Sobre este documentário em si, o maior elogio que lhe posso dar é que as mais de 7 horas de duração passaram a correr. Uma montagem impecável. E se a imagem super limpa pode tirar a magia, a mim não me incomodou. Aliás, só nos aproximou àquelas lendas. Durante aquelas horas, vivemos as alegrias, dúvidas, tristezas e amarguras daqueles que são e serão os maiores entre nós.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

IN THE NAME OF THE KING (2007)



 Uwe Boll.... Sim, vou gastar um pouco do meu tempo a escrever sobre um filme do Uwe Boll

Dicas para apreciar um filme do Uwe Boll:

Dica 1: ter as expectativas lá muito em baixo... assim no lodo.

Dica 2: ver o filme acompanhado de uma garrafa de aguardente. Mas daquela rasca. Nada acima de 2€ o litro.

Seguindo estas dicas, estão criadas as condições para se vir a apreciar uma obra cinematográfica do Rei Boll.

E como toda a gente gosta de malhar (cascar, falar mal) dos filmes do gajo, eu vou ser diferente e apontar porque curti o filme.

Ora, o filme começa com Jason Statham a apanhar nabos da terra (sim, não é engano, a apanhar nabos) e o Ron Perlman a passear um porco de trela. Dois dos gajos mais machos de Hollywood a fazer coisas "machas". A partir daqui eu só disse para mim mesmo (já que ninguém quer ver isto comigo), que este filme vai ser do caraças. 

Se o filme pode ser uma cópia barata (apesar dos 60 milhões de dólares de orçamento) do Lord of the Rings? Epa, talvez... Mas este ao menos não perde tempo com 560 historietas que não interessam. #chupaTolkien 

Sim, o filme tem uns Orcs marca branca, mas também tem ninjas (onde estão os ninjas nas 10 horas de Senhor dos Anéis?). Tem guerreiras que andam nas árvores em trajes provocatórios (onde estão as gajas boas no LOTR?). Tem feitiçaria, onde o Ray Liotta roubou o casaco ao Keanu Reeves do Matrix. Tem lá pelo meio o Matthew Lillard a fazer exactamente o mesmo papel que fazia no Scream. Tem cenas que são uma autêntica comédia slapstick, por exemplo a cena da ponte (quem viu vai saber do que falo).

O único ponto negativo do filme é mesmo a banda sonora. Senhor Uwe Boll, nem todas as cenas precisam de música a acompanhar.

Se o resto da trilogia for metade disto já fico contente.

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

THE RETURN OF THE JEDI (1983)


Porque é que o Return of the Jedi é o melhor filme da saga?

Então não é que me dei conta que nunca tinha escrito nada (exclusivamente) sobre este filmaço. Durante anos andei a dizer que este era o menos preferido da trilogia original. Seguia as multidões dizendo que era o Império Contra-Ataca e no meu ranking "oficial" até pus o primeiro em primeiro. Este era sempre o "eterno terceiro". Mas uma coisa é certa, hoje não faço distinção e vejo os 3 como um único filme (à semelhança do Regresso ao Futuro). Mas se tivesse que eleger um, como o melhor, é provável que hoje dissesse "O Regresso do Jedi é o melhor de toda a saga". 

Sim, eu sei que este filme inclui Ewoks (criaturas fofinhas) a combater um exército de Stormtroopers, e qual é o mal disso??

Mas este filme tem tanta coisa boa, desde a mais profunda à mais supérflua. Para um tipo básico como eu, umas das coisas boas deste filme é a Leia enquanto "escrava" de Jabba. Sim, podem dizer que objectifica a mulher, mas aquele biquíni é de me benzer e não dizer o que se fazia com aquela mulher. Em mais nenhum filme da saga há alguma coisa tão sensual e sexual como a Leia naqueles preparos.

Depois temos uma cena cheia de adrenalina na perseguição com os speeders (hoje em dia pode não parecer tão bem feita, mas desde sempre me fascinou).


Mas o que faz deste filme superior a qualquer um dos outros, é o acto final, desde que Luke se encontra com Vader e o Imperador. A carga dramática, o duelo entre Luke e pai, a tentação de passar para o Lado Negro, e o Imperador. A juntar a isto, toda a batalha espacial e na Lua de Endor. E sou dos poucos que defende os Ewoks (neste filme... não nos filmes próprios). Quase que solto uma lágrima quando vejo um dos Ewoks atingido (e morto) e o outro a tentar levá-lo. Acho que as pessoas é que têm pedras no coração por isso não gostam deles. Mas o clímax sentimental é quando Vader salva o filho da morte certa às mãos do Imperador e se sacrifica. Foi um fechar perfeito para a personagem do Anakin. Se por amor se juntou ao Lado Negro (Episódio III), por amor saiu de lá.

E aquele final com a celebração da vitória deu um quentinho no coração (seja na versão original ou na versão alterada com os povos de toda a galáxia). A música em harmonia com o reencontro de todos, inclusivamente Yoda, Anakin e Obi-Wan) foi um fechar com chave de ouro uma trilogia (para mim perfeita).

(Nota final: em que momento (específico ou não) o Boba Fett ganhou a popularidade que tem para todas a gente não ter gostado da forma como morreu neste filme? Ele mal está presente nos 3 episódios.)

quarta-feira, 1 de abril de 2020

TOP CLAUSTROPHOBIC MOVIES

Filmes claustrofóbicos: aqueles que me deixam inquieto, quase sem respirar. E há uma série de filmes que têm essa capacidade; filmes que me fazem roer as unhas com os nervos; filmes que me deixam mal disposto (no bom sentido). E são esses filmes que venho aqui falar. É um top feito de memória, sem recorrer a cábulas. Por isso é normal que tenha deixado muitos de fora. 
Fora deste top ficaram filmes como Locke (2013), Das Boot (1981), Saw (2004), Hard Candy (2005), 10 Cloverfield Lane (2016), Phone Booth (2002).

10º Cube (1997), de Vincenzo Natali


Sala atrás de sala cheia de armadilhas. Empolgante.

United 93 (2006), de Paul Greengrass


O melhor filme sobre o 11 de Setembro. Um filme que mesmo sabendo o final nos deixa de coração nas mãos.

Lifeboat (1944), de Alfred Hitchcock


Sobreviventes em tempo de II Guerra Mundial. Todos juntos num barquito, e onde um deles é do inimigo. Hitchcock é mestre.

Panic Room (2002), de David Fincher


Está nesta lista por causa de Fincher e a forma como filma o filme que tem uma premissa simples (a típica invasão domiciliar).

Misery (1990), de Rob Reiner


Um homem agarrado à cama e uma psicopata a tratar dele. De ficar agarrado ao sofá.

Fair Game - aka Mamba (1988), de Mario Orfini


Uma mulher encurralada em casa com uma mamba lá dentro. O meu filme de cobras preferido, que vi enquanto era uma criança com menos de 10 anos. Para ver com a mão sempre à frente dos olhos.

The Descent (2005), de Neil Marshall


A definição de claustrofobia. Pior que os monstros que habitavam nas grutas, só mesmo sentir-me encurralado lá dentro.

12 Angry Men (1957), de Sidney Lumet


Um filme passado dentro de uma sala onde os jurados decidem a sentença de um réu. De deixar os nervos em franja.

Rope (1948), de Alfred Hitchcock


Quase como uma peça de teatro, um dos meus preferidos do Mestre, foi um dos primeiros a levar o plano de sequência ao grande ecrã. 

Alien (1979), de Ridley Scott


Não havia espaço para outro filme no lugar cimeiro do top. Quando se pensa em filme claustrofóbico, o pensamento é automaticamente Alien.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

RESERVOIR DOGS (1992)


Era para fazer uma "ganda" texto sobre este filme, mas depois achei que já foi tudo dito sobre ele e que não ia acrescentar nada de novo. Por isso, ficam só umas breves notas do que para mim é este filme. 

Muito resumidamente, este filme é apenas DO CARALHO. Desde o prólogo, onde o grupo discute sobre gorjetas e o "Like a Virgin" da Madonna, a todas as cenas que se seguem. Michael Madsen é o vilão que odeio gostar tanto. O gajo é macabro (aquela dança enquanto tortura o polícia) e ao mesmo tempo carrega estilo. Porque é que o gajo nunca seguiu como actor da liga principal? E depois referir aquele duelo a três final tão bem filmado, que mais parecia um daqueles duelos dos westerns.

Tarantino a entrar pela porta grande no cinema de Hollywood.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

TOP WORST OF THE YEAR 2019 (A MAIOR MERDA DO ANO)

Ponto prévio antes de avançar para o top e depois ser enxovalhado por causa das escolhas: este é o MEU top, por isso vai ser muito diferente do top de quem ler. É possível que para alguns, estejam aqui representados alguns dos vossos filmes favoritos do ano. Depois, eu não vi assim tantos filmes este ano, por isso os filmes mais abaixo da tabela não são filmes que odeie. Simplesmente evitei filmes que à partida não iria gostar. 

10º - ANNABELLE COMES HOME (Annabelle 3: O Regresso a Casa), de Gary Dauberman


Este faz parte daqueles que não odiei, mas caramba, depois do excelente segundo filme da boneca, este terceiro é um passo atrás.

9º - AVENGERS: ENDGAME (Vingadores: Endgame), de Anthony Russo & Joe Russo


Um bocado sensaborão como grande "final" da saga.

8º - PET SEMATARY (Samitério de Animais), de Kevin Kölsch & Dennis Widmyer


Este aparece na lista como a maior desilusão do ano, tal a expectativa que tinha.

7º - VELVET BUZZSAW, de Dan Gilroy


Talvez não mereça aparecer aqui, mas confesso que não me entrou no goto. Confuso.

6º - THE POISON ROSE (Segredos do Passado), de Francesco Cinquemani & George Gallo


Serviu para me fazer dormir numa viagem longa de avião.

5º - IN THE TALL GRASS, de Vincenzo Natali


Muita parra e pouca uva. Tinha tanta confiança neste!

4º - CAPTAIN MARVEL, de Anna Boden & Ryan Fleck


Depois de 464 filmes da Marvel, este não acrescenta nada e ainda por cima falta muito sal à protagonista, carisma, etc.

3º - MEN IN BLACK: INTERNATIONAL, de F. Gary Gray


O que é que se passou aqui??? 

2º - RATTLESNAKE, de Zak Hilditch


Só não é o pior do ano porque dormi em grande parte dele.

1º - THE SILENCE, de John R. Leonetti


Querem fazer filmes "à la Shyamalan" mas não são o Shyamalan. A prova de que a Netflix ainda tem de comer muita sopa para fazer filmes bons. 

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

HALLOWEEN 2 (2009)

EM DEFESA DE ROB ZOMBIE


Bem, não é que o Zombie precise que venha alguém defendê-lo, mas vamos lá revisitar Halloween 2
Depois da saga de Halloween ter sido morta por Busta Rhymes e companhia no Halloween Resurrection, alguém tinha de se chegar à frente para tentar reanimar ou ressuscitar uma saga que John Carpenter criou com mãos de mestre. Qualquer realizador que fosse escolhido, teria sempre que fazer algo especial. Calhou a Rob Zombie a missão de fazer um remake. E mais valia chamar-se Halloween Origins. Foi imensamente criticado nesse remake, nomeadamente por se focarem demasiado no Michael Myers enquanto garoto e a tentar explicar a razão por que se tornou na Shape (ou Boogeyman). Apesar das críticas, o filme fez dinheiro suficiente (até então seria o mais rentável da saga) para justificar uma sequela directa. 
Eis que, dois anos volvidos, chega esta sequela que me traz aqui hoje. E desde já me confesso: tinha gostado bastante do primeiro, e a primeira vez que vi este 2, odiei. Mas odiei mesmo. Era daqueles haters intragáveis. Com o tempo, aconteceu uma coisa estranha: o ódio foi-se transformando, e é hoje, para mim, o melhor filme da saga (se excluirmos o clássico de Carpenter).
É que o filme tem ali tantas coisas boas. 

Vá, se era para fazer um remake de um daqueles filmes que é considerado dos melhores de sempre no género, então que seja algo diferente. E não podem acusar o Zombie de copiar o Carpenter. Criou algo à sua imagem. Podemos não gostar, mas diferente. 
Ora para este segundo, elevou ainda mais a fasquia. 

SPOILERS

O início do filme é um piscar de olho ao Halloween 2 "original", que se passava todo num hospital. Aqui, esse início também é num hospital mas tudo não passou de um sonho. Não nos apercebemos logo que se trata de um sonho, mas vão sendo deixadas pistas, nomeadamente o facto de estar sempre a tocar a mesma música dos Moody Blues na televisão. E essa música torna essa cena ainda mais "creepy", pois é tão contrária ao que se está a passar. Ah, lá pelo meio anda a Octavia Spencer como enfermeira a ser morta pelo Myers. No fim a Laurie Strode acorda e fim de cena.

Falemos então da Laurie Strode. Pode ser uma heresia, mas eu prefiro esta versão da personagem do que versão da Jamie Lee Curtis. Está completamente traumatizada com os eventos do primeiro filme e isso nota-se. 

POSITIVO


- Laurie Strode (Scout Taylor-Compton): personagem muito mais interessante e desenvolvida que a Laurie do passado.

- Annie Bracket (Danielle Harris): a melhor amiga que atura os traumas de Laurie, e que tem das mortes mais dramáticas de todo o franchise. Ah, e foi tão bom ver o regresso da actriz à saga depois de ter sido a protagonista do 4 e 5.


- Sheriff Lee Bracket (Brad Douriff): quando vê a filha morta, essa cena dá cabo de mim. Uma espécie de murro no estômago.


- Michael Myers (Tyler Mane): percebo quem não goste desta versão do Michael, mas é refrescante ver algo completamente diferente. Vemos sem máscara durante grande parte do filme. Ele é uma espécie de vagabundo barbudo, que não tem problemas em matar um cão para se alimentar, mas cada vez que coloca a máscara, sabemos que vem aí chacina. E já agora, creio que deve ser o único filme onde o Michael fala e grunhe.
Myers


- O filme é muito visual, explícito, visceral. É capaz de nos deixar mal dispostos.

NEGATIVO

- Dr. Loomis (Malcolm McDowell): aqui é um completo idiota, que quer amealhar dinheiro à custa do sofrimento. Passa o filme em palestras e programas de televisão a vender o seu livro e a ser uma espécie de escumalha para todos.

- O raio do Cavalo Branco: eu sei que deve ser metáfora para muita coisa, mas não é preciso tanto. 

- E porque é que o Rob Zombie convoca sempre a mulher para os seus filmes? Ela já tinha morrido no primeiro. Então agora aparece em inúmeras visões do Myers e da Laurie???? Para quê?

- A quantidade absurda de "fuck" e "fucking" que é dita ao longo do filme. 

Acabo com este ponto negativo, mas tenho de dizer em bom português: este filme é "fucking awesome".

terça-feira, 1 de outubro de 2019

RAMBO: LAST BLOOD (2019)


Tem Stallone? Check; Tem o personagem Rambo? Check; Estão reunidas as condições para ter aqui o melhor filme do ano. Podem fechar as urnas.

Sim, Stallone está velho, se considerarmos 73 anos velho para fazer de Rambo. Mas podem trazer o velho John Rambo de andarilho, a sofrer incontinência, que vai para as filas dos centros de saúde reclamar das maleitas que tem, que eu vou ver, vou curtir e vou sair da sala de cinema com um sorriso na cara. E foi isso que aconteceu neste quinto filme da saga.

É possível que dê algum SPOILER.

E desde já digo: este é o filme Rambo menos Rambo de todos. Falta-lhe a vibe Rambo, se é que me faço entender. Mas isso não faz deste filme mau. Nunca na vida. Mal começou o filme e no ecrã aparece apenas a palavra RAMBO, senti logo um arrepio na nuca. Depois é o enquadrar da história, na primeira parte do filme, para depois sermos recompensados na segunda. 


A história é simples: Rambo vive descansado da vida e chateiam-no, e quando chateiam Rambo, podem encomendar o caixão. Neste caso, a "filha" é raptada no México para ser vendida como escrava sexual e isso é uma situação chata. Estão a ver o Liam Nesson no primeiro Taken? É mais ou menos isso que acontece. A diferença aqui (e confesso que não estava à espera) é que quando ele recupera a rapariga, esta morre. E temos a justificação ideal para o que se vai passar depois. Rambo prepara a sua casa com armadilhas dignas de um Kevin McCallister (referência óbvia a Home Alone) em modo psicopata, e é o banho de sangue que faz corar qualquer slasher-movie dos anos 80. 

Nesta altura do filme eu estava com um sorriso na cara e só me apetecia gritar no cinema YEAHHHH, cada vez que algum bandido perdia a cabeça ou algum membro. 

Em jeito de conclusão, acho que vai faltar coragem à Academia para Oscarizar este filme. O típico feel-good movie.